14/06/2017

Condolências socialistas

Shot 001

De vez em quando o que sobrou da esquerda global tem uns relances de lucidez funcional e faz autocrítica do seu espírito de corpo.

Recentemente, Noam Chomsky descompôs os percalços da esquerda sul-americana e carregou as tintas, principalmente, nos governos de esquerda do Brasil e da Venezuela, esse, o mais desastroso de toda a história da concepção marxista.

Agora, depois de uma Venezuela devastada pela grife do chavismo, um grupo de cerca de 250 intelectuais e ativistas políticos auto definidos como “de esquerda e/ou progressistas” assinou um manifesto que investe contra o herdeiro do chavismo, o atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Ao que parece, a cegueira da esquerda em defender desastres só porque os autores do terremoto são “de esquerda”, está agonizando.

O texto afirma que não mais suporta como “certos setores da esquerda latino-americana ainda apoiam incondicionalmente o chavismo” e afirmam que tal comportamento “não apenas revela cegueira ideológica, mas é prejudicial pois, lamentavelmente, contribui para a consolidação de um regime autoritário".

E completa com um retrato em branco e preto do legado chavista à Venezuela, denunciando que a “recente convocação de um Assembleia Constituinte, de uma maneira claramente inconstitucional, ao invés de resolver a crise, de fato a intensifica, pois é uma tentativa de consolidar um regime totalitário no contexto de uma enorme crise social e econômica, evidente na falta de alimentos e remédios, entre outros problemas".

Ao lado de Cuba, a Venezuela insiste em um experimento socialista que ruiu pela metade do caminho, com o fim da Guerra Fria e a insustentabilidade do modelo daquilo que se chamou de União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Os países do Leste que foram obrigados ao regime pela imposição do eixo Leste-Oeste potencializado como extrato do pós-guerra, todos, abandonaram a aventura.

Cuba começou um lento processo de substituição de peças enferrujadas e deverá sair da oficina em breve, no geral melhor do que estava antes da queda de Fulgencio Batista, mas muito longe daquilo que Fidel Castro prometeu entregar.

A Venezuela, todavia, é a mais perfeita tradução de tudo o que a esquerda global não deveria fazer, sepultando de vez a ideologia aplicada por quem não consegue conviver com a difícil, mas menos danosa, consolidação democrática.

3 comentários:

  1. E ai meu amigo Parsifal?!
    Até agora não tivemos por aqui nenhuma linha escrita sobre o strike do TFR1 sobre o Comitê Eleitoral Permanente (vulgo Radio Clube do Pará)?
    Farás cara de paisagem sobre o fato até quando?
    kkkkkkk......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou um assíduo leitor seu meu amigo.
      Aprecio o tom sarcástico dos seus textos e entrevistas.
      Não nos prive de seu talento sobre a conjuntura politica de nosso arraial.
      Agora estamos ligados pra ver quando o Moraes vai devolver o processo do fim do foro privilegiado para conclusão do pleno do STF.....
      Até agora tá 4 x 0 pelo fim do foro!
      Mais dois votos (Fachin já é 1 garantido) e o nosso Cavanhaque da Integração Nacional vai parar Curitiba.
      Nosso amigo Sérgio Moro tá com uma sede nessa lista da Odebrecth...

      Forte abraço!

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.